Rádio Germinal

O Rock expressa o que é a política institucional e os políticos profissionais

A música "Vossa Excelência", da banda Titãs, expressa um aspecto da política institucional e dos políticos profissionais: a dissimulação e a corrupção que manifestam os interesses daqueles que são falsamente apontados como "representantes do povo".

Ouça a música e a letra abaixo:



VOSSA EXCELÊNCIA
TITÁS

Estão nas mangas
Dos senhores ministros
Nas capas
Dos senhores magistrados
Nas golas
Dos senhores deputados
Nos fundilhos
Dos senhores vereadores
Nas perucas
Dos senhores senadores
Senhores! Senhores! Senhores!
Minha Senhora!
Senhores! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Senhores! Corrupto! Ladrão!
Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado!
Estão nas mangas
Dos senhores ministros
Nas capas
Dos senhores magistrados
Nas golas
Dos senhores Deputados
Nos fundilhos
Dos senhores vereadores
Nas perucas
Dos senhores senadores
Senhores! Senhores! Senhores!
Minha Senhora!
Bandido! Corrupto
Senhores! Senhores!
Filha da puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão! Senhores!
Filha da puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!
Isso não prova nada
Sob pressão da opinião pública
É que não haveremos
De tomar nenhuma decisão
Vamos esperar que tudo caia
No esquecimento
Aí então!
Faça-se a justiça!
Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado!
Estamos preparando
Vossas acomodações
Excelência!
Filha da Puta!
Bandido! Senhores!
Corrupto! Ladrão!
Filha da Puta!
Bandido! Corrupto! Ladrão!
Filha da Puta!
Bandido! Corrupto! Ladrão!
Filha da Puta!
Bandido! Corrupto! Ladrão
Written by Antonio Bellotto, Antonio Carlos Liberalli Bellotto, Charles Gavin, Charles De Souza Gavin, Paulo Miklos, Paulo Roberto De Souza Miklos • Copyright © Warner/Chappell Music, Inc

A Falta - Edmilson Marques

A Falta - Edmilson Marques



"A Falta", Edmilson Marques
Composição: Edmilson Marques e Nildo Viana


A Falta

Quando uma pessoa presente
Desaparece e se torna ausente
Nada a substitui e só fica o vazio.
O vácuo, o nada, o mundo frio.

O arrependimento ao meu lado
O momento não vivido
A nostalgia do passado
O sonho ensanguentado

A falta é uma parte desaparecida
O empobrecimento do presente
A consciência da vida não-vivida
A percepção de um mundo decadente.

Quando uma pessoa presente
Desaparece e se torna ausente
Nada a substitui e só fica o vazio.
O vácuo, o nada, o mundo frio.

A vontade de montar um quebra-cabeça
Unindo o melhor do presente e do passado
Fazendo com que a peça desaparecida reapareça
Reviver e recuperar o tempo roubado.

O túnel do tempo é ficção
Os ladrões do tempo são reais
Eles coisificam vidas
Abrem novas feridas

Quando uma pessoa presente
Desaparece e se torna ausente
Nada a substitui e só fica o vazio.
O vácuo, o nada, o mundo frio.

A falta que eu sinto agora
Não quero causar com minha ausência
Por isso não vou embora
Ficarei e lutarei até a última hora.

Quando uma pessoa presente
Desaparece e se torna ausente
Nada a substitui e só fica o vazio.

O vácuo, o nada, o mundo frio.

Flávia - Edmilson Marques




Música "Flávia", Edmilson Marques.
Composição de Edmilson Marques e Nildo Viana

Letra:

Flávia,
O silêncio e mais nada,
A distância da emoção imaginária.

Flávia,
O seu coração biônico
Não vê meu amor platônico

Flávia,
Não ultrapassa a frieza
De uma vida burguesa!

Flávia,
O dinheiro está acima de tudo!
Assim o sentimento fica mudo!

Flávia,
Miragem de uma ilha cheia d’agua
Em pleno deserto do Saara!

Flávia,
A ilusão de uma paixão
E além disso não resta nada!

(Repete).

LETRAS: Cara Legal - Lulu Santos

Lulu Santos foi um dos destaques do rock brasileiro dos anos 1980 até início dos anos 1990. A maioria de suas canções eram rock romântico (que deve ser distinguido do romantismo sentimentalista da música chamada "brega", ou seja, das músicas triviais), contendo alguns rocks críticos e outros domínios temáticos. Abaixo a letra de uma de suas músicas. As músicas de Lulu Santos você ouve na Rádio Germinal.

Cara Legal
Lulu Santos


E nesse filme eu quero ser mocinho
E conquistar de uma só vez a multidão
E o coração de todas as mocinhas
Irradiar minha presença no salão
Quero ser a perspectiva
Daqueles que não têm perspectiva
O abrigo dos aflitos
Um paranormal
Um bamba do samba
Um verdadeiro cara legal

Nesse filme eu quero ser mocinho
E espalhar o verde pela plantação
Me vestir de branco o ano inteiro
Realizar milagres com as próprias mãos
Quero ser a expectativa
Daqueles que não têm expectativa
O abrigo dos aflitos
Um paranormal
Um bamba do samba
Um verdadeiro cara legal

Ninguém quer sofrer de amor
Ninguém quer morrer numa de horror
Quase todo mundo que eu conheço
Quer ser feliz

Nesse filme eu quero ser artista
E infiltrar idéias pela contramão
E escrever direito em linhas tortas
Quem sabe até financiar revolução
Quero ser a iniciativa
Daqueles que não têm iniciativa
O abrigo dos aflitos
Uma espécie de paranormal
Um bamba do samba
Um verdadeiro cara legal

Ninguém quer sofrer de amor
Ninguém quer morrer numa de horror
Quase todo mundo que eu conheço
Quer ser feliz

AC/DC, Zé Ramalho e Luís Gonzaga juntos

Landau grava música que reúne AC/DC (Back in Black), Zé Ramalho (Admirável Gado Novo) e Luís Gonzaga (Asa Branca). Essas e outras músicas você ouve na Rádio Germinal. Confira:




O Samba-Rock você ouve na Rádio Germinal

A Rádio Germinal toca diversos samba-rocks em sua programação diária. O Samba é um genêro musical que se consolidou e passou a ser unido com diversos outros gêneros musicais (sambolero, sambalada, etc.). Uma das mais interessantes é o rock. O samba-rock teve suas primeiras gravações nso anos 1970 e até hoje é produzido. A banda Kid Abelha regravou seu clássico Pintura Íntima como um samba-rock. Um dos mais antigos e famosos samba-rock é o de Abílio Manoel, Pena Verde. Essa música teve versão francesa e ganhou o II Festival Universitário de música, da TV Tupi, em 1969,gravado em 1970.

Abaixo letra e vídeo com a música:

PENA VERDE
Abílio Manoel

Pus Um Cravo na Lapela,
Sou Escravo, Eu Sou Dos Olhos Dela
Pena Verde no Chapéu...
Me Deu Sorte, Ela Caiu do Céu.

Tenho Agora Quem Me Quer
Dou o Meu Cravo Pra Quem Quiser
Mas Pena Verde Eu Não Abro Mão
Pois Desconfio do Seu Coração.

Não Adianta Fugir do Feitiço,
No Fundo Você é Toda Sorriso
Agora Sim Não Há Mais Problema
Tenho Você e Sei Que Vale a Pena...


Moldura da sociedade brasileira em música de Guilherme Arantes

Guilherme Arantes apresenta um quadro da realidade brasileira atual, a situação da saúde, educação, corrupção, política institucional, cultura, na música "Moldura do Quadro Roubado". Essa e outras músicas você ouve na Rádio Germinal. Abaixo letra e vídeo dessa música.

Moldura do Quadro Roubado

Guilherme Arantes

Faz-de-conta que eu não sei
Que o mundo está na (imunda) mão
Da quadrilha de gravata
Que me assalta um terço todo mês
Faz-de-conta que eu pensei
Que era fácil prosperar (crescer)
Sem vender a minha alma ao lobo
E ser cordeiro de uma vez

E onde foi que eu li
Que era cor-de-rosa
Que era só rezar
Pra "Êle" ouvir?

Mil promessas de eleição
A favela, então, cresceu, explodiu
A escola não ensinou, e faliu
E no hospital a humilhação
Que o povo acreditou
Na voz rouca do pastor (doutor)
e acredita em qualquer pai que venda
O seu baú da felicidade
E onde foi que eu li

e na America Latina ecoou um só pranto


Itamar Assumpção e a Crítica do Regime de Acumulação Integral

Abaixo a letra da música de Itamar Assumpção, "Reengenharia", na qual há a crítica do neoliberalismo, da ideologia da globalização e reestruturação produtiva, elementos que caracterizam o regime de acumulação integral, atual fase do capialismo, bem como suas ideologias. Após a letra, o vídeo para poder ouvir a música completa.

Essas e outras músicas você ouve na Rádio Germinal, onde a música não é mercadoria, é qualidade, crítica e utopia.

Reengenharia
Itamar Assumpção

Meu amor
Não sou o Gabriel, mas sou pensador
Eu tive uma idéia genial
Que tal inserir nosso lar na economia global

É muito simples não tem nem filosofia
É só fazer a tal reengenharia
No mundo inteiro vai que é uma beleza
Por que não fazer igualzinho lá em casa, hein princesa?
É só jogar no lixo o que não precisa
A tua mãe, por exemplo, a gente terceiriza

Não se preocupe com a culinária
Agora ficou chique comer porcaria
Ter urticária o que que há de mal afinal
É só um bocadinho de mesquinharia

Meu bem não vejo a hora de fazer economia de escala
O mala do nosso vizinho pegamos botamos fora
A mulher dele, a mulher dele... a gente incorpora...
Vamos acabar com todo desperdício
Afinal qual é o mal, é só a beira do precipício
É só a beira do precipício

Os amigos a gente elimina
E traz só de brinquedinho baratinho lá da China
Vamos criar um lar, um lar, um lar, um lar
bem competitivo
Um lar que seja voltado só para um objetivo
Ente o ativo e o passivo
Vamos ver qual de nós dois ainda continua vivo

Vamos cair de boca no pragmatismo
Afinal qual é o mal, é só a beira do abismo
Querida vamos acabar com todo sossego
Dar um basta nos sentimentos e nos momentos de aconchego

Pulmão otimizado, coração desativado, no seguro desemprego
Nosso lar vai virar uma operação enxuta
Com muito mais inveja, com muito mais disputa
Afinal qual é o mal em ser só um tiquinho filho da puta

Vamos concentrar na nossa vocação meu bem
Ficar querendo o que a gente não tem
Oh! Meu amor eu quero detonar o quarteirão, o mundo, o bairro
Só pra comprar nosso segundo carro

Oh! Meu amor
Depois quando tudo der certo
Ficaremos só nós dois num lindo deserto
Vai ser tão legal ser moderno
Aqui no meio do inferno

Poderemos gravar tudo isso em vídeo
Afinal qual é o mal só um pouquinho de suicídio
Teu irmão eu aniquilo, teu pai jogamos no asilo
É, só vamos comer por quilo

Meu amor, meu amor, meu amor!
Não sou o Gabriel, mas sou pensador
Sou pensador


Meu amor, meu amor, meu amor!
Não sou o Gabriel, mas sou pensador
Sou pensador


Meu amor, meu amor, meu amor!
Não sou o Gabriel, mas sou pensador
Não sou o Gabriel, mas sou pensador