"Não adianta o oprimido virar opressor" - Música e Crítica Social: Ponto de Equilíbrio

A música abaixo aponta para uma percepção crítica de algo bastante comum em certos movimentos sociais na contemporaneidade, o autoctonismo e aloctonismo. Trata-se de uma música que realiza uma crítica social, mostrando a opressão e que a inversão da situação de opressor e oprimido não resolve a questão. Nesse sentido, é preciso "saber o que fazer/pensar/dizer". A letra da música é relativamente simples, mas abre espaço para reflexões. Também falta a utopia (a solução) e sair da relação apenas entre opressor e oprimido, indo para a questão mais fundamental e fundante da opressão, que é a exploração de classe. Abaixo letra e vídeo desta música, que você ouve na Rádio Germinal, onde a música não é mercancia, é crítica, qualidade e utopia.


África
Ponto de Equilibrio


Melhor do que viver acorrentado:
É saber o que fazer
É saber o que pensar
É saber o que dizer


A ovelha não deve se vingar do lobo
Pois o justo não anda no caminho dos tolos
Não adianta o oprimido virar opressor
Inverter a sociedade não vai acabar com sua dor


Afinal somos todos irmãos, lá-lá-lá-lá-lá-lá
Eu e eu, uma só nação, nossa terra:
África, mãe de toda criação

Nossa terra, nossa mãe: África, mãe de toda a geração


O Rock de Suzi Quatro

Suzy Quatro, "48 Crash". O Rock de Suzi Quatro você ouve na Rádio Germinal:
It's like a lightning flash


Acesse e faça o download do aplicativo da Rádio Germinal para seu celular. Através dele poderá ouvir a Rádio Germinal, acessar diretamente músicas e vídeos musicais de Edmilson Marques, bem como acesso a novidades, postagens, textos, reflexões sobre música, canal do youtube da Rádio Germinal, etc.

Para baixar o app, clique neste link:

A crítica da banda Câmisa de Vênus: Enigma

Enigma
Camisa de Vênus

Quis conter-me mas não pude
Revoltado com a atitude dessa gente original
Que pensa ser incomum e julga todos por um
E prega sem ter moral

Insensatos pregadores
Esses cruéis detratores
Agem quase sempre assim
São imbecis personagens
Molares das engrenagens
Que sentem inveja de mim

Dizem que eu encarno o mal
Que eu não passo de um radical
E que sempre falo demais
Dizem esses entendidos
Que eu devo tomar juízo
Ser como eles banais

Não os temo e nem me assusto
Mesmo sabendo que o justo
Paga pelo pecador
Pois quem não deve não medra
Atire a primeira pedra
E eu mostro o meu valor




ESSAS E OUTRAS MÚSICAS, VOCÊ OUVE NA RÁDIO GERMINAL, ONDE A MÚSICA NÃO É MERCANCIA, É CRÍTICA, QUALIDADE E UTOPIA!!!